quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

MAS...











num súbito de recordações

vi teu rosto

brando

e como as orgias do mar revolto

senti sangrar meu peito...



Ressurge a saudade

e

nunca tive teu ser... nunca !



Rasgo meu sentimento infernal em mil pedaços

como rasguei poesias



Sou alguém apenas

que passou inexistente pelos teus olhos

e me devoro inconformada até Deus me querer...





No meu parque de rosas nasceram espinhos

e os perfumes são iras



Não posso explicar como, mas minha volúpia inerte

está



Tenho sede de incêndios!



...



mas morri.



Rejane Tach



Um comentário:

Carlos Alberto disse...

A dor nos faz chorar e provoca ódio que nos faz não enxergar,a ira nos maltrata, mas nos faz compreender que o medo pode ser vencido.